Últimas Notícias do Grêmio

Olímpico Monumental pode virar uma cidade provisória. Entenda!

O Olímpico Monumental pode se tornar um símbolo de solidariedade e esperança

Estádio Olímpico do Grêmio
Imagem: Reprodução/gremio

Olímpico Monumental pode dar outras alegrias nesse momento delicado

O histórico estádio Olímpico Monumental, antiga casa do Grêmio, está prestes a receber uma nova missão: servir de abrigo temporário para desabrigados. Após acolher doações e ônibus de empresas com garagens alagadas, o estádio poderá ser transformado em uma verdadeira cidade provisória.

Leia mais:

Troca de mandos entre Grêmio e Botafogo no Brasileirão é inteligente? Confira mais!

D’Alessandro se une ao Grêmio para importante ação envolvendo o Rio Grande do Sul. Confira!

O assunto será discutido

A prefeitura de Porto Alegre já consultou a direção do Grêmio e informou o governo do Estado sobre o projeto. A proposta é usar o Olímpico não apenas como dormitório, mas também como um complexo de serviços comunitários. Estão previstas a instalação de uma cozinha comunitária, brinquedoteca, lavanderia coletiva e até um espaço pet. O prefeito Sebastião Melo explicou as alternativas consideradas:

Uma das alternativas é usar o complexo do Porto Seco. Não os galpões, nem a pista. Se for necessário, vamos fazer. Outra alternativa é o Olímpico. Estamos vendo custos. Não é uma cidade para dez mil pessoas. O governador ofereceu essas estruturas, com alimentação e segurança

O Grêmio já foi consultado, e o assunto será discutido em uma reunião do Conselho Deliberativo do clube nesta segunda-feira. A possibilidade de aceitar a ideia é real, desde que não interfira nos contratos com a Karagounis e a OAS 26.

O vice-governador Gabriel Souza, que está à frente do projeto, confirmou a intenção da prefeitura de usar o Olímpico:

Pretendo concluir a contratação dos fornecedores até amanhã. Imediatamente após, tenho que informar os locais

Além de Porto Alegre, Canoas, Guaíba e São Leopoldo também receberão essas cidades provisórias. O objetivo é abrigar 65% das pessoas da Região Metropolitana que estão sem moradia, até que possam retornar para suas casas. O governo do Estado já está em processo de contratação das empresas responsáveis por fornecer os materiais necessários.

 

Imagem destaque: Lucas Uebel/ Grêmio

Natalia Fontoura

@natifontouraf Repórter, redatora e setorista do Grêmio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo